Sinal de Menos #2

Baixar a revista inteira

Eis o nosso segundo número de Sinal de Menos. Muito do que se pode dizer sobre os textos dessa edição está simbolizado em sua capa, composta por Felipe Drago: enquanto a produção obstinada e infinita de mercadorias vai transformando o planeta num imenso monturo de lixo, os cadáveres humanos do trabalho e do dinheiro contemplam, acossados pelo tempo abstrato da valorização, cada vez mais sem lastro, a sua própria ruína enquanto sociedade, história, cultura, subjetividade e espaço social e natural. Aliás, esse último aspecto do desastre capitalista, quase ausente em nosso primeiro número, ganha destaque em pelo menos três textos nessa edição.

A edição abre numa ENTREVISTA com Roger Behrens, um ensaísta e crítico social alemão, autor de vários escritos sobre Marcuse, Adorno e Teoria Crítica, além de editor da revista Test Card e colaborador das Revistas Streifzüge e Krisis. Os assuntos circulam pela herança frankfurtiana e a crítica do valor, indo das questões de teoria e práxis até a cultura underground e a música brasileira.

Nossa seção de ARTIGOS abre com o texto de Joelton Nascimento, que é a segunda parte de seu artigo publicado no número anterior: O valor como fictio juris. Em História e Metafísica da Forma Jurídica ele avança algumas hipóteses e questões que desenvolvem a relação problemática e ainda pouco explorada entre a sociedade produtora de mercadorias e suas estruturas de legalidade formal.

O texto de Íris Nery do Carmo, Trabalho e Emancipação: uma análise acerca do Trabalho Feminino no Capitalismo, questiona as condições históricas desiguais de trabalho e assalariamento entre homens e mulheres e os impasses e ilusões da “emancipação” das mulheres, bem como a dos homens, no interior da ordem androcêntrica do capital e do trabalho alienado.

O texto a seguir, de Paulo V. Marques Dias, Economia na base da porcaria: Como o sistema produtor de mercadorias chega ao absurdo lógico da não- qualidade total, aborda a questão da obsolescência programada das mercadorias no sistema capitalista, e põe em questão, amontoando casos e exemplos concretos, a irracionalidade do sistema.

Na continuação, desenvolvendo noutros aspectos esse mesmo tema, temos o texto de Daniel Cunha, que pode ser resumido pelo seu título irônico: Y€$! Nós somos verdes! Produção mais limpa ou sujeira sem fim? Recuperação e revolta dos “excrementos da produção”. A análise crítica de alguns dados selecionados ironiza e confronta a ideologia da chamada “produção limpa” no capitalismo.

O quinto ensaio, de Raphael F. Alvarenga, As vestes negras de Hamlet: a emergência do sujeito moderno como sujeito político, lida com a obra de Shakespeare de forma a indagar como se dá a passagem da indecisão mortificante ao ato possível, isto é, a travessia hamletiana da identificação imaginário-simbólica ao desejo e ao ato de liberdade, que abre um espaço de realizações para além das instituições reconhecidas, processo que o autor do artigo denomina como formação do “sujeito político”.

O último ensaio, O abismo do negativo: Baudelaire e a forma fúnebre da beleza moderna, faz uma leitura crítica da obra do grande poeta lírico a partir dos aportes de Benjamin, Oehler e Sartre, buscando no texto poético uma forma de iluminação de determinadas relações histórico-sociais e psíquicas da modernidade burguesa: a forma fúnebre da beleza é o revestimento interno do cadáver obstinado do sujeito moderno, que, como em Hamlet, só passa a existir como subjetividade possível na crítica aos valores e referenciais simbólicos e imaginários estabelecidos.

A terceira seção, continuando nossa linha editorial, contém algumas TRADUÇÕES: um texto de Guy Debord (O planeta enfermo) e três pequenos textos de Franz Kafka, salvo engano, ainda inéditos em livro no Brasil.

A última seção, dedicada a LEITURAS E COMENTÁRIOS, contém reflexões críticas sobre um livro recente de José M. Wisnik sobre o futebol na sociedade brasileira; uma resenha sobre um livro de Adriano A. Ferreira sobre questões históricas do direito burguês, Estado e marxismo; por fim, uma resenha sobre um antigo mas importante ensaio de Moishe Postone, em torno da questão do tempo abstrato, do valor de uso e do sujeito na sociedade moderna.

Julho de 2009

[-] Sumário #2

Editorial 

Entrevista com Roger Behrens

Artigos

O valor como fictio juris 
2a. parte: história e metafísica da forma jurídica
Joelton Nascimento

Trabalho e emancipação
Uma análise do trabalho feminino no capitalismo
Íris Nery do Carmo

Economia na base da porcaria
Como o sistema produtor de mercadorias chega ao absurdo lógico da não-qualidade total
Paulo V. Marques Dias

Ye$! Nós somos verdes!
Produção mais limpa ou sujeira sem fim? Recuperação e revolta dos “excrementos da produção”
Daniel Cunha

As vestes negras de Hamlet
A emergência do sujeito moderno como sujeito político
Raphael F. Alvarenga

O abismo do negativo
Baudelaire e a forma fúnebre da beleza moderna
Cláudio R. Duarte

Traduções

O planeta enfermo – Prefácio do tradutor
Daniel Cunha

O planeta enfermo
Guy Debord

Barulho enorme, Viajantes da estrada de ferro e Uma comunidade de canalhas
Franz Kafka

Leituras e comentários

A estetização da (des)ordem brasileira, segundo José M. Wisnik
Rodrigo Campos Castro

Origens da crítica do direito
Joelton Nascimento

Do aspecto não-idêntico do valor de uso
Moishe Postone e a questão do sujeito
Raphael F. Alvarenga

Anúncios

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • ISSN

    1984-8730
  • Insira o seu email e clique para receber notificações de novos artigos por email.

    Junte-se a 133 outros seguidores

  • Comunidades e grupos

  • Contato

    dcunha77@hotmail.com