Sinal de Menos #6

Baixar a revista inteira

A edição No. 6 de Sinal de Menos gira em torno das seguintes questões: como a literatura tem representado a cultura dos marginalizados na sociedade moderna? Como o que está “à margem” da sociedade, incluindo aí o inconsciente de seus sujeitos, irrompe nas relações sociais?

A seção de ARTIGOS abre com um ensaio de CLÁUDIO R. DUARTE sobre O Castelo de Franz Kafka. O autor esboça as linhas fundamentais de sua construção e mostra por que este é talvez o romance mais complexo de Kafka, sintetizando momentos fundamentais de sua obra, pois além da dominação e da alienação, ele introduz de forma poderosa a irredutível não-identidade da figura de K.

A seguir, temos dois ensaios sobre o romance Berlin Alexanderplatz de Alfred Döblin. O primeiro, de RAPHAEL F. ALVARENGA, procura integrar à explicação materialista a dimensão mítico-religiosa deste que é um “romance de formação” de um marginal, inscrevendo a obra no conturbado contexto político e cultural da República de Weimar, a cujo destino está enredado o de suas personagens. O texto de GABRIELA S. BITENCOURT busca, a partir da análise de alguns elementos formais da representação do espaço urbano no livro, discutir quais os desdobramentos do uso da montagem e como, por meio dela, a configuração da “metrópole literária” afeta a forma do romance.

Em seguida, DANIEL GARROUX faz uma leitura de Voyage au bout de la nuit, de Louis-Ferdinand Céline, sob o ponto de vista da ruptura da forma realista tradicional. Ao colocar seu leitor diante de um fluxo discursivo não-linear que emana de uma consciência cindida a narrativa subverte alguns dos pressupostos de que o gênero do romance havia se servido até então. O ensaio desenha a experiência social de fundo sedimentada no romance.

No próximo artigo, CÉSAR TAKEMOTO tenta repensar a centralidade do evento da guerra de Canudos para a configuração artística de duas obras importantes da literatura brasileira do século XX: Os Sertões de Euclides da Cunha e Grande Sertão: Veredas de Guimarães Rosa. Para tal, o autor se utiliza de uma crônica de Machado de Assis para daí avançar alguns pontos na interpretação de uma determinada constelação histórica brasileira.

Em seu artigo, HELENA WEISZ acompanha a trajetória do mais ambicioso projeto do escritor brasileiro Aníbal Machado. Um livro que começou a ser escrito ainda no primeiro Modernismo, acompanhou todos os percalços e contradições desse movimento e só foi terminado em 1964.

Fechando a “sessão brasileira”, CARLOS PIRES analisa um balanço histórico da música popular e das transformações do Brasil, desde o final da década de 1960, feito por Caetano Veloso, em 1993. Essa reconstrução da história recente do país reposiciona o tropicalismo como um evento sem certas linhas de força, que são centrais para entendê- lo. A análise busca compreender qual o sentido desses apagamentos pontuais, que aparecem quase como sintomas no discurso de Veloso.

O último ensaio, da autoria de NILS GÖRAN SKARE, pensa a cotidianidade, no sentido de Henri Lefebvre, sob o ponto de vista da teoria lacaniana do discurso, em suas modalidades fundamentais (a do mestre, a do universitário, a da histérica, a do analista e, por fim o “dialeto” do capitalista). Se o cotidiano é o lugar potencial do acontecimento, o capitalismo, segundo o autor, seria um sistema que busca administrá-lo e, no limite, evacuá-lo do cotidiano.

A seção de TRADUÇÕES LITERÁRIAS traz uma variante da abertura de O Castelo de Kafka, que lança certa luz sobre o caráter da luta de K. no romance, e um pequeno conto de ALFRED DÖBLIN (“A Bailarina e o corpo”), ambos traduzidos diretamente do alemão.

Lembramos que a revista vem aceitando contribuições. O próximo número trará uma entrevista com Robert Kurz, repensando temas de seu livro seminal, O colapso da modernização, após 20 anos de sua publicação.

DEZEMBRO de 2010

[-] Sumário #6

Editorial

Artigos

Aproximações d’O castelo de Kafka
Cláudio R. Duarte

O velho mundo precisa sucumbir
Mito e história em “Berlin Alexanderplatz”
Raphael F. Alvarenga

A fratura da forma
Constituição e implicações da representação da metrópole em “Berlin Alexanderplatz”
Gabriela Siqueira Bitencourt

Louis-Ferdinand Céline
“Voyage au bout de la nuit” e a crise do realismo
Daniel Garroux

Da centralidade de Canudos
César Takemoto

João Ternura
Um livro à revelia do próprio autor
Helena Weisz

Otimismo e sebastianismo na história recente da tropicália
Carlos Pires

O dia-a-dia colonizado
Lacan, Lefebvre e os eventuais discursos cotidianos
Nils Göran Skare

Traduções literárias

Variante da abertura de O castelo
Franz Kafka

A bailarina e o corpo
Alfred Döblin

Anúncios

1 Comentário

  1. Eu, Cláudia Maria de Sá Pereira Netto, acho esta revista muito interessante!!!


Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • ISSN

    1984-8730
  • Insira o seu email e clique para receber notificações de novos artigos por email.

    Junte-se a 126 outros seguidores

  • Comunidades e grupos

  • Contato

    dcunha77@hotmail.com