Sinal de Menos #Especial

sinaldemenos_especial

Baixar a revista inteira

Caros leitores,

Esta edição extra de Sinal de Menos se dedica a pensar as recentes Jornadas de Junho. A composição da capa em forma de mosaico, elaborada por Felipe Drago, sinaliza os sentidos das Jornadas. Realmente elas surpreenderam a todos. O que parecia estagnado de repente se desencantou e se descongelou numa série de mobilizações e contramobilizações, que convidam à reflexão e ao desvendamento crítico.

Muito já se falou e se escreveu sobre as Jornadas, embora às vezes sem muito recuo histórico (inevitável, é verdade) e analítico-conceitual. Aqui, então, como sempre num esforço de esclarecimento social, o que importa é o empenho em distinguir o que une um determinado campo de lutas contraposto ao capital, ao poder excepcional cada vez mais em vigor e à grande mídia. Mas não só o que une, também o que separa e obriga à crítica das aparências e das ideologias da adesão, do agito e do movimento, que apenas terminam levando ao espontaneísmo e ao populismo.

Por outro lado, a essência subjaz à aparência e frequentemente esta última é mais rica do que a essência. Eis o que valoriza o registro fenomenológico do movimento em curso, com seus sentidos ambivalentes e contraditórios. Quanto mais rico e plural esse registro mais ele permitirá embasar uma crítica totalizante. Sem essa multiplicação de perspectivas, digamos, transversal – das grandes estruturas ao puro caos das ruas –, nada pode ser analisado mais a fundo. Os textos coletados na edição tentaram contemplar essa dialética entre aparência e essência e os múltiplos sentidos da revolta. Por isso ainda, reunimos tomadas de posição a partir de centros geográficos variados: Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Cuiabá.

A revista abre com uma entrevista – Os sentidos da revolta – que os editores da Sinal de Menos deram a Roger Behrens, e que foi publicada parcialmente nos círculos alemães e dinamarqueses de crítica do valor e do capital (Jungle World e Autonom Infoservice, com previsão de publicação em outros meios alemães).

O primeiro artigo publicado a seguir fornece uma caracterização do Passe Livre e do Bloco de Luta pelo Transporte Público em Porto Alegre, que acreditamos ter sido uma das melhores concretizações dos protestos de Junho. Em Resistência e o direito à cidade, DANIEL CUNHA explica o contexto no qual o movimento se desenvolveu em Porto Alegre, mostrando que ele se imbrica em um mosaico mais amplo de lutas urbanas pelo direito à cidade que questiona o modelo urbanístico e o consenso político estabelecidos.

Em seguida, vem o texto de JOELTON NASCIMENTO, O colapso do arranjo brasileiro, sobre o (des)arranjo brasileiro entre empresariado e Estado, que segundo ele, é o ponto arquimediano que une todas as múltiplas reivindicações feitas durante as jornadas, apontando ainda o paradigma de movimento social resultante do conflito.

O terceiro artigo, de CLÁUDIO R. DUARTE – O Gigante que acordou – ou o que resta da Ditadura? – busca apresentar as tensões entre o tal Gigante e o que ele provavelmente representa em termos sociais e subjetivos. O paradoxo é que se a crise da representação se instalou em Junho o que em grande parte desfilou nas ruas, para além do MPL, foi uma mera representação espetacular, um simulacro com potenciais perigosos, no limite protofascistas, e que nos levam apenas ao que resta da ditadura, a começar pela repressão militar, a mídia golpista e a onda reacionária.

O quarto artigo – A revolta e seu duplo –, de PAULO MARQUES, vai um pouco no mesmo sentido do artigo anterior, captando ricos detalhes e nuances das mobilizações. Ele busca destrinchar e identificar suas causas dentro do processo de crise capitalista e da onda de lutas sociais internacional. Procura também entendê-las como lutas sobre o valor da força de trabalho e analisa o seu duplo caráter: por um lado ligado às demandas concretas, por outro, a sua recuperação capitalista em forma de pseudorrevoltas espetaculares e conservadoras. Por fim aponta os desafios para o futuro.

Em seguida, temos dois textos que caminham pelo fio da experiência empírica das manifestações. Em Duas visões do movimento – PSOL e Frente Autônoma, SUELEM FREITAS relata duas maneiras de organizar a luta em Porto Alegre: a primeira através do partido de esquerda mais ou menos tradicional, a outra por meio de uma experiência autonomista.

Já em A comédia da moral pacífica, ANDRÉ GUERRA reflete, de maneira quase narrativa e num viés mais ou menos deleuziano, a respeito do caos e da violência que tomaram as ruas em certos momentos mais explosivos das manifestações, pensandosuas implicações para a moral normatizada do homem burguês cotidiano.

Na sequência temos um texto numa linha marxista-leninista tradicional, com DIEGO GROSSI, em seu Decifra-me ou devoro-te: as jornadas de junho/julho e a luta de classes no Brasil contemporâneo, tecendo boas considerações sobre o ciberativismo, apontando como o espontaneísmo das massas surpreendeu os agentes históricos tradicionais da esquerda. O que demonstra a necessidade desses agentes inovarem não só suas políticas, mas também os métodos de ação para que se coloquem à altura dos desafios da luta de classes no século XXI, sem, no entanto, abdicarem das ricas contribuições herdadas do passado.

Para fechar, em A mobilidade do inferno proletário: a vida nos trens da hiperperiferia de São Paulo, CLÁUDIO R. DUARTE narra a vida do proletariado urbano usurpada pelo tempo de transporte nos trens suburbanos da Grande São Paulo. Ele apresenta um pouco do mal-estar social geral que veio a furo com as Jornadas de Junho.

Boa leitura e até a próxima edição.

Agosto de 2013

[-] Sumário #Especial

Editorial

Entrevista

Os sentidos da revolta
com Sinal de Menos, por Roger Behrens

Artigos

Resistência e direito à cidade
Esboço de uma gênese do movimento em Porto Alegre
Daniel Cunha

O colapso do arranjo brasileiro
Joelton Nascimento

O gigante que acordou – ou o que resta da ditadura?
Protofascismo, a doença senil do conservadorismo
Cláudio R. Duarte

A revolta e seu duplo
Entre a revolta e o espetáculo
Paulo Marques

Visões do movimento – PSOL e Frente Autônoma
Impressões de Porto Alegre
Suelem Freitas

A comédia da moral pacífica
André Guerra

Decifra-me ou devoro-te
As jornadas de junho/julho e a luta de classes no Brasil contemporâneo
Diego Grossi

A mobilidade do inferno proletário
A vida nos trens da hiperperiferia de São Paulo
Cláudio R. Duarte

 

Anúncios

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  • ISSN

    1984-8730
  • Insira o seu email e clique para receber notificações de novos artigos por email.

    Junte-se a 126 outros seguidores

  • Comunidades e grupos

  • Contato

    dcunha77@hotmail.com